Projeto para preservar único bioma exclusivamente brasileiro está engavetado

O mapa do Boqueirão da Onça foi por muito tempo um vazio: o país ignorava detalhes da maior faixa do único bioma exclusivamente brasileiro. Aos poucos, a ciência a descobre, mas projeto de preservação segue engavetado.

Ao longo do trajeto que leva até a maior área de caatinga selvagem do país, no norte da Bahia, é difícil cruzar com outros veículos na estrada. A mais de 100 km de Juazeiro, cidade mais próxima, a região tem pequenos povoados à margem das estradas de terra, casas abandonadas por antigos moradores que fugiram da seca, bodes soltos que circulam pela via.

As horas de viagem levam ao Boqueirão da Onça, região formada por serras e vales estreitos cobertos pela vegetação que só existe no Brasil, a caatinga. Faz dez anos que o decreto que cria uma unidade de conservação no local, do tamanho aproximado de 800 mil campos de futebol, está engavetado.

Essa extensa caatinga preservada só existe aqui. Aqui vivem onças pintada e parda, e a pintada é uma espécie extremamente ameaçada nesse bioma“, diz Rogério Cunha de Paula, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), órgão do Ministério do Meio Ambiente.

Ele fez parte das primeiras expedições científicas à região para investigar a biodiversidade local. Nesse atual retorno, pouco mais de dez anos depois da primeira visita, Cunha notou diferenças na paisagem: centenas de torres eólicas fincadas no meio da caatinga.

Isso trouxe um novo capítulo de como a gente pode explorar essa matriz energética a partir dos ventos, de forma a ter um impacto controlado na biodiversidade num ambiente tão sensível como a caatinga“, comenta.

CLIQUE AQUI E LEIA MAIS
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App.

Autor: Nádia Pontes

This entry was posted in Meio Ambiente. Bookmark the permalink.